Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2011

Pretéritos imperfeitos

com o tempo
o tempo passa
 e nao nos damos conta dele
com o tempo as ranhuras do tempo não incomodam mais

Marcam
colam
chegam
ficam
apagam
passam

Ah, o tempo
impreciso
inquietante
tempo amigo inimigo
ampulheta
uma  vida a menos
um dia a menos
Escritos
em linhas quaisquer
E rimas rotas soltas


Sem sentir passou
ficou
acomodou-se
Sepultamo-nos
passagens passageiros
ligeiros

E com o tempo
será tudo
pretérito
inquieto...










Torta di riso

(...)O domingo era todo aquela barraca de doces, meu desejo e meu desejo... Durante grande parte daqueles domingos, eu me deparava com o que eu não podia e só queria isso.  O bolo incolor me deixava com água na boca e dor na alma. Se o tivesse provado, hoje só estaria com a dor. Dói muito realizar um sonho. A sensação é de esvaziamento. Como nada realizei, ou coisa alguma me foi concedida, parei de sonhar. Sou todo dor e falta de bolo de arroz ... Minha infância chegou a ensaiar um gosto; minha vida de adulto nem isso. E ainda criança o homem na t.v. dizia que o céu era o limite. E minha infância me dizia, dentro de seu amargor insípido: o bolo de arroz é o limite...
Mente simplesmente
Onde se esconde uma mente?

Uma luta mera
contra a corrente
E a vida
É essa megera.
Essa fera

querelas, querelas...
Querê-las?




Não não é falta de confiança
É medo de julgamento
É
medo de reprovação e se sentir menor

Não há o que discutir
Não sou cura...
Não sou luta

Tô seguindo em frente

Cada vez menos a frustração me encontra...

Eu não tenho medo
Para confiar tem que ser forte.
Eu confio porque não me frustro
Porque não idealizo imbecis que me batem à porta.

Portas cerradas, janelas cerradas
l'amiciziaè finita
Como a vida é finita
breve, efêmera, passageira.


Deem-me passagem, passageiros!

Black Eyes

Ver seus olhos
estar em sua presença
ou lembrar de sua existência me trás

Angústia, tristeza.

Olhar nos seus olhos era mergulhar na nas noites tórridas de verão
Era imaginar que a luz nunca chegaria.

Mirar a sua cara
era mirar a tristeza de sua existência de sua carcaça
sem essência

Longe de mim e com sua presença obliterada
Lembranças de você quase apagadas...
Incorrem em mim a maldita tristeza sua.

Da vida que você me roubou
da vida que deixei você roubar.

Soubrou-me agora
A liberdade, do tempo de ainda ser feliz.

Tantear a infelicidade
Foram os momentos em que toquei você.

Arrastão

Meias perdidas
Gavetas fechadas, cerradas!

Meias,meias
                cheias
meias verdades...

Se perca pelos meios e enleios
Meios caminhos
Meias,meias meias...

Tô meio meio
vazio, esquálido
quadrado.

Desmundos

Nunca fui longe
Sempre perto
Sempre ali na esquina
E sempre volto às pressas

O melhor de ir é poder voltar

Nunca parti porque em qualquer parte seria eu
Qualquer parte do mundo não me deixariria para trás


Tudo tão engessado
Preso

                                                                                     Pior seria partir e não ter para quem voltar
                                                                                               Não ter para onde voltar
                                                                                               Na retilínea vacância da exisência


                                                                                               Partida, dividida, repartida.
                                                                                               Voltas e revoltas e revolições
                                                                                               Todo parte para um fim.

Partidas

Arrume as malas
pegue o primeiro voo,
O destino mais longe
Vá, vá
Vá para viver, não para morrer.

Largue, se agarre às loucuras
Siga-as... viva-as...

Eu vou ficando aqui
Sedimentando a vida
A existência

E o que será que tem além da porteira
da linha do trem
de estrada,
da vida?

Pegue o primeiro trem
Parta.

SENDA

Deixeque alguem entenda
A senda que te tenta
A senda que te leva a algures
Lúgubres

A senha que permite a fulga
que permite a vida
A senha do caminho, da senda,
Não é nada
É só a noite de domingo de desanima
Que desvenda a pequenez...

A senda que nem desvenda
é só uma rima... que quebra
na próxima esquina...
Caminhos tortuosos desvelados...

Cinzas

Um adeus
Um prêmio meu
Saí auntêntico
como meus tantos cabelos brancos

A cada esquina que viro ]
perco  a cor de meus cabelos
Grisalhos, embraquecidos
é o tempo passado.


Um adeus
E um alivio no coração

Go baby, go baby

 agora nem adianta tentar voltar
Lá , ali não vai me achar.

HD

Tái,vi todas as fotos agora
ficaram todas comigo
no entanto, nem todas as lembranças são minhas.

Do meu hd apago tudo quanto eu queira
E na hora que quiser

Sem fotos para apagar
O que afinal vai lhe sobrar?

Nem fotos, nem eira nem beira...

Círculos imprefeitos

Hoje não quero planos
Nem curvas
Nem retas

Quero a perfeita imperfeição das ondas
Assim vou seguindo em círculos nauseantes.

Bifurcações

Bifurcações ambíguas

Veredas
becos e encostas reencontrados
Fazem
 a figura inteira de uma vida

Cada caminho que caminhei
cada pegada que deixo



Faz de mim um  retalhoRemedandado com tantos outros...

Telhas,telhados, chuvas e chuviscos

No telhado
Da telha
do alto
do topo
da cumieira

Às vezes só vêm arsneiras
Umas gotas e umas goteiras
Gota a gota a vida passa
telha a telha a vida se faz
E se desfaz...
Ventos ventanias
casas descobertas
almas reveladas nuas
cruas...
Feridas doídas, doidas de dores.

Do alto do telhado antevejo o futuro
E revejo o passado.

O presente é um regalo não desembrulhado.

Abrazos Rotos

Não quero os seus abraços disfarçados
Seus beijos comedidos
Seus falsos entusiamos

Quero a minha liberdade
A falsa liberdade de mim

Não quero a violência dos seu abraços
Não quero o estupor do seu calor
A gratuidade de seus atos perfeitos
Ah, nefanda ilusão


                                                                                    Certa mesmo é a ilusão
                                                                                    De seus abraços partidos,
                                                                                    Repartidos, divididos.

Necrópolis

Chega um tempo na vida
Que na vida só restarão mortos
Tudo na lembrança
Tudo no passado...

Tudo uma dia vai ser ex-
Ex-qualquer coisa
Ex-
Amores que morreram
Que mataram.

Da vida só restarão os mortos
Dos afagos
O asco
Dos amores;
A dor.

Um cemitério
De adeus, de amores, de mães, pais, irmãos, amigos
E no fim
Um cemitério de mim !
Quiça um jardim de flores murchas.

Via

Sinceros agradecimentos
Aos passageiros de minha vida
àqueles cuja viagem foi maior
Àqueles cujo caminho se fez pequeno

Tanto um como outro
Foram passageiros!

Meu intinerário é o mesmo
Meu destino sou eu
Sou, assim, senhor de meus caminhos.

Vão ficando  os passageiros
Para trás

Meu destino é tão longe
Meu destino é tão vasto
Vai, vai passando
Vão-me dando passagem pasageiros!

Pontes e Passagens!

Bem, quero brindar
Quero brindar à passagem do tempo
Aos que passaram
Aos que tiraram as máscaras
Aos que me deram passagem

Passei
Sou um um rio caudaloso

Vou passando
Vou andando
Deixando para trás...

Bem que queria brindar a mim
Sim,Um brinde a mim
Meu egoísmo é passivel...
Possível
Ah, ah!

Alteia em mim o sol
Alteia em mim a lua cheia
Sou do tempo e do espaço
Sou de mim e da passagem do tempo.

Alma Lavada

Aproveitando a chuva
Chamei Shiva
Desarrumei a casa
A sala
O quarto

Aproveitando o Sol
Chamei Brama
Arrumei a Casa
A sala
O quarto.

Lavei a alma
Enxuguei qualquer lágrima
Agora só falta Vixnu...


Prosaísmo hindú
A parte
A vida é isso mesmo

Uns fazem
Uns destróem
Outros se apegam
Ao que tão cedo ou tão tarde sublima...

AI, ai pobres rimas
De podres sinas.
A vingança é um prato
Rato, verme rastejante...
A vingança é um parto

O que o tempo não cura
The pills do...

La pluie

Deixa a onda molhar
Seus pés
Deixa a chuva molhar
Molhadinhos é mais gostosinho

Deixa  a chuva molhar
Lavar as mágoas
Lavas a dores
Deixa o amor lavar...
Deixa o amor levar...

Ai ai lúbricos
Líricos  e amantes!
Idílios, idílios ai ai
O amor faz mais!!
Né?
A última vez em que me viu
estava indo para Pasárgada
Mas o caminho até lá é longo
Posso ter me perdido ou me desviado

Assim...

Quando pensar em mim
não me pense lá
Nem saberei onde terei indo
Quanto a você
Bem,
Eu não pensarei...

Crepúsculo Coletivo

Espere a resposta certa da pessoa errada
Espera, ela nuncavirá...

Eu te amo não porque te amo
Eu amo porque amo assim desse jeito
Nem espero a resposta
Nem a certa
Nem a errada...

Nem espero

Love and being loved back...
Well, well
I wish you so bad
neither so bad
NEITHER just it
it loves me...
I loveth you...
I´m the right guy baby...I'm the guy just come over me, I'm ready.

Esperando a resposta certa da pessoa errada...

pêeeeen responsta errada...

ANEXOS

Eu abo
desabo
subo desço
lembro
esqueço
anoiteço e nao amanheço
formo desformo
Contruou, destruo

Eu abo e desabo
Fujo e não parto
Ficar é o mais perto que consigo chegar da vida...
Vou ficando
Esquecendo...

Toda Cançao de Amor

No principio toas as musicas de amor
Sao para os antigos amores
Para os amores perdidos

Com o tempo
As velhas cançoes de amor
Serao cantadas para novos amores


Com o tempo serao velhos amores
E que servirao as velhas  musicas
Como  novos amores...
Que serao esquecidos por novissimos amores.


A música me é nova e ainda está vaga...

Mensuráveis Transversais

Meça o asco
Meça o feio
O horrível
O terrível

Para jogar o lixo
 Não se deve lembrar o que ele foi no início

Veja os defeitos

As oportunidades perdidas
Diga adeus e não olhe para trás
Deixe o caminhão do lixo levar...

A vida é como um rio
É como a água do rio
Ela passa
As correntezas trazem e levam coisas...
E coisas depois de usadas
Vão ao lixo
Vai ao lixo
Coisas nojentas esquecidas e apagadas...
Objeto inútil e substituível...
Au revoir, trash!

Veredas

Caminhos Tempos
Distâncias
Destinos comuns
Vidas que se cruzam... se descruzam
Que se superam

Se separam...
Parto ingrato...
Encontro desencontros
Que porra
Tudo é um prenúncio de um Adeus

Rompecabezas

O amor é assim
Umquebra cabeça que sempre falta uma peça
Luta insana para encontrar essa peçazinha é o temperinho que nos apetece.
Sim, a peça que falta é a parte mais importante?

Uma única peça arremataria todoa as outras.
É o que nos falta que nos impulsiona..

Bem, veja bem...

É o montar as peças
É o subir a serra
É o dirigir
E não o destino o que faz a graça...

Pere ai que vou ali ver se consigo alcançar a felicidade
Volto já  ;- 0
Ou  quem sabe me delongue um pouco mais!

Enchentes e Maremotos

O amor é rio
É passagem
Encontro

É um correr desassossegado
É a correnteza...

Minha vida não está vazia
E tampouco é sazonal
Minha vida é um rio transbordante
Ai, ai, a água que passa é parte do rio
Eu rio porque passo
Ora fico
A vida é correr rumo ao mar...
Tudo tão cheio de amor
de encontros
de ADeus?
Por que não?
Há paisagens além do que se ver...
Rio
Mar
Passar
Ficar
Do rio o que fica é a margem...
Várzea
....
Rio é rio mesmo quando não passa água.
Eu vou rindo
E você?

Conventus

Às vezes penso na morte
Me lembro de tudo que ainda nao vivi:
Dos amores que ainda não tive
ou
Até das dores que não experimentei
Viver é engraçado...
Tô eu aqui
com o peito apertado
Pensando na morte
Na vida que não tive
E nas vidas que que se acabaram:
Não sei dizer adeus...
A vida para mim
É encontro

Specchio, specchio mio

Gente feia
Gente feia
Tão feia que lembra pobreza
Que desperta a pena
Piedade.
E os iguais se ajuntam, se amontoam
Gente feia  com gente feia
Feias
Feios...

As amizades são seu espelho...
Quando vi você eu senti pena
Quando vi vocês
Achei asqueroso.

Patético...


Um monte de gente feia
Parecendo bichos
Coletivo de feios?
Feira?

Chuvas! Um guarda-chuva, por favor!

Quando estiver chovendo não esqueça do guarda-chuva.
Quando for chorar também...
aproveite a chuva.
Leve um lenço, disfarce a dor
chore.
Se faz mal tempo
Depois fará bom e bem tembém
Chorar lubrifica as vistas.
Você vê melhor.

E quando fizer bom tempo
Suba no telhado para consertar as goteiras...

L'amour

Tiveum bichinho de estimação
Durante certo tempo pensei que ele fosse meu
Depois percebi que eu  era dele.
Dada a percepção tive que imolar o bichinho
Em nome da liberdade;
Temos que ter algo
Para abrir mão em  nome da liberdade...

Ai, ai meu bichinho de estimação
Nunca lhe tive estima
Os gatos são independentes
Os cães não...

O bicinho precisava de moletas
Ah, os bichinhos de estimação
Amor cão.

"L'amour, hum hum, pas pour moi,
Tous ces "toujours",
C'est pas net, ça joue des tours,
Ca s'approche sans se montrer,
Comme un traître de velours,
Ca me blesse, ou me lasse, selon les jours"

Aspas

Diria que nada do que é humano me surpreende
já disseram
Diria que o inferno são os outros
já disseram
Diria tantas coisas
Diria que quem amamos cedo ou tarde vai nos magoar
já magoei
Já fui magoado


Diria tanto, mas depois de Shakespeare não me sobrou nada
Diria
diria
Mas não há quem me ouça.
A liberdade surge quando você já não tem nada a perder.
Assim, eu não sou livre
Não direi mais nada: apenas observarei,
Tampouco quero ouvir.
Não tenho aptidão para mentiras.
 touché!

Gula

Lançar mão do que se tem
para conquistar o que não se tem.
È o "blues da piedade" querendo sempre aquilo que não tem
Fazendo-se de tudo para te-lo, até mesmo perdendo o que  já possui...
Ai, ai, irônica a vida...

Se delongue mais um pouquinho, você vai conseguir
quem sabe um bocadinho...

Recortes

 Passar do tempo.

Em que houve uma procura mútua
Uma reciprocidade
Que se tornou tantas coisas...
Aventuras e desventuras infindáveis...

Um encontro que de efêmero se tornou incerto...
Você ainda segue a sua viagem...

hã?

Do alto dos meus trinta anos ainda conservo a esperança de que um dia terei
"the time of my life"
A música de minha vida,
O livro que fará toda a diferença,
Quiça, até mesmo uma frase que me desperte...
Ainda não aconteceu.
O tempo está passando, eu estou passando (já passado) e nada...
Nada chegou a mim até agora,

Pelo menos nada extraordinário
Ou nada não passou, pois essa maldita expectativa permanece intocada...
Esperando
Esperando
E  só o tempo passando.

Sábado chato esse.

Invenções

Inventealgo para gostar
Para fazer a vida valer a pena
Para você gostar dela
Invente o óbvio e o simples
E encontre a felicidade...

(risos, risos)