Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2011

HD

Tái,vi todas as fotos agora
ficaram todas comigo
no entanto, nem todas as lembranças são minhas.

Do meu hd apago tudo quanto eu queira
E na hora que quiser

Sem fotos para apagar
O que afinal vai lhe sobrar?

Nem fotos, nem eira nem beira...

Círculos imprefeitos

Hoje não quero planos
Nem curvas
Nem retas

Quero a perfeita imperfeição das ondas
Assim vou seguindo em círculos nauseantes.

Bifurcações

Bifurcações ambíguas

Veredas
becos e encostas reencontrados
Fazem
 a figura inteira de uma vida

Cada caminho que caminhei
cada pegada que deixo



Faz de mim um  retalhoRemedandado com tantos outros...

Telhas,telhados, chuvas e chuviscos

No telhado
Da telha
do alto
do topo
da cumieira

Às vezes só vêm arsneiras
Umas gotas e umas goteiras
Gota a gota a vida passa
telha a telha a vida se faz
E se desfaz...
Ventos ventanias
casas descobertas
almas reveladas nuas
cruas...
Feridas doídas, doidas de dores.

Do alto do telhado antevejo o futuro
E revejo o passado.

O presente é um regalo não desembrulhado.

Abrazos Rotos

Não quero os seus abraços disfarçados
Seus beijos comedidos
Seus falsos entusiamos

Quero a minha liberdade
A falsa liberdade de mim

Não quero a violência dos seu abraços
Não quero o estupor do seu calor
A gratuidade de seus atos perfeitos
Ah, nefanda ilusão


                                                                                    Certa mesmo é a ilusão
                                                                                    De seus abraços partidos,
                                                                                    Repartidos, divididos.

Necrópolis

Chega um tempo na vida
Que na vida só restarão mortos
Tudo na lembrança
Tudo no passado...

Tudo uma dia vai ser ex-
Ex-qualquer coisa
Ex-
Amores que morreram
Que mataram.

Da vida só restarão os mortos
Dos afagos
O asco
Dos amores;
A dor.

Um cemitério
De adeus, de amores, de mães, pais, irmãos, amigos
E no fim
Um cemitério de mim !
Quiça um jardim de flores murchas.

Via

Sinceros agradecimentos
Aos passageiros de minha vida
àqueles cuja viagem foi maior
Àqueles cujo caminho se fez pequeno

Tanto um como outro
Foram passageiros!

Meu intinerário é o mesmo
Meu destino sou eu
Sou, assim, senhor de meus caminhos.

Vão ficando  os passageiros
Para trás

Meu destino é tão longe
Meu destino é tão vasto
Vai, vai passando
Vão-me dando passagem pasageiros!

Pontes e Passagens!

Bem, quero brindar
Quero brindar à passagem do tempo
Aos que passaram
Aos que tiraram as máscaras
Aos que me deram passagem

Passei
Sou um um rio caudaloso

Vou passando
Vou andando
Deixando para trás...

Bem que queria brindar a mim
Sim,Um brinde a mim
Meu egoísmo é passivel...
Possível
Ah, ah!

Alteia em mim o sol
Alteia em mim a lua cheia
Sou do tempo e do espaço
Sou de mim e da passagem do tempo.