Pular para o conteúdo principal

Desmundos

Nunca fui longe
Sempre perto
Sempre ali na esquina
E sempre volto às pressas

O melhor de ir é poder voltar

Nunca parti porque em qualquer parte seria eu
Qualquer parte do mundo não me deixariria para trás


Tudo tão engessado
Preso

                                                                                     Pior seria partir e não ter para quem voltar
                                                                                               Não ter para onde voltar
                                                                                               Na retilínea vacância da exisência


                                                                                               Partida, dividida, repartida.
                                                                                               Voltas e revoltas e revolições
                                                                                               Todo parte para um fim.

Comentários

  1. "a vida nem sempre é da forma que queremos que ela seja." nem preciso dizer mais nada, né?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Patifes, por quê não?

Certamente Sou uma das maiores pessoas que você teria a oportunidade de conhecer. Mas a muito poucas eu me permito que isso aconteça. E grandiosidade não lhe diria de finanças, pois nesse caso seriam dois anões ao invés de um só.
Cada vez mais restrinjo evadir o que sou, porque a vida não se divide com gente patife, o que aliás, é o que mais há por ai nesse mundao sem porteira.
Aos estáticos ou ao efêmeros sou o oposto um do outro. Evoluo com o passar do tempo e com as parcas e poucas pessoas que conheço e que permito que me saibam.
Dentro desse conhecimento alheio me misturo com um pouco de piedade: a ignorância causa pena. Alguns pensam que podem mudar o mundo, triste isso. Alguns se acham invencíveis, patético isso. Outros tão grandiosos e não passam de um... Eu sou o que os outros não são, o que os outros não suportam por estarem aquém, por serem demasiado medíocres.
Sou tudo menos o que você acha que sou ou o que eu aparento ser diante de suas fuças.

lluvia

Pluie nous aide à voir

E sem ajuda não conseguimos ver
Nada!

A chuva ajuda
Inunda...
Toma, chega...

Cíclica como a lua
Imprevisíveis mulheres...

A chuva, a lua e a maré

cabaré
luar
lupanar...

A chuva ajuda
O escuro revela....

vela
revela
desvela...

Inundações pulsões de mortes vãs...






La pluie

Deixa a onda molhar
Seus pés
Deixa a chuva molhar
Molhadinhos é mais gostosinho

Deixa  a chuva molhar
Lavar as mágoas
Lavas a dores
Deixa o amor lavar...
Deixa o amor levar...

Ai ai lúbricos
Líricos  e amantes!
Idílios, idílios ai ai
O amor faz mais!!
Né?