Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2011

Enchentes e Maremotos

O amor é rio
É passagem
Encontro

É um correr desassossegado
É a correnteza...

Minha vida não está vazia
E tampouco é sazonal
Minha vida é um rio transbordante
Ai, ai, a água que passa é parte do rio
Eu rio porque passo
Ora fico
A vida é correr rumo ao mar...
Tudo tão cheio de amor
de encontros
de ADeus?
Por que não?
Há paisagens além do que se ver...
Rio
Mar
Passar
Ficar
Do rio o que fica é a margem...
Várzea
....
Rio é rio mesmo quando não passa água.
Eu vou rindo
E você?

Conventus

Às vezes penso na morte
Me lembro de tudo que ainda nao vivi:
Dos amores que ainda não tive
ou
Até das dores que não experimentei
Viver é engraçado...
Tô eu aqui
com o peito apertado
Pensando na morte
Na vida que não tive
E nas vidas que que se acabaram:
Não sei dizer adeus...
A vida para mim
É encontro

Specchio, specchio mio

Gente feia
Gente feia
Tão feia que lembra pobreza
Que desperta a pena
Piedade.
E os iguais se ajuntam, se amontoam
Gente feia  com gente feia
Feias
Feios...

As amizades são seu espelho...
Quando vi você eu senti pena
Quando vi vocês
Achei asqueroso.

Patético...


Um monte de gente feia
Parecendo bichos
Coletivo de feios?
Feira?

Chuvas! Um guarda-chuva, por favor!

Quando estiver chovendo não esqueça do guarda-chuva.
Quando for chorar também...
aproveite a chuva.
Leve um lenço, disfarce a dor
chore.
Se faz mal tempo
Depois fará bom e bem tembém
Chorar lubrifica as vistas.
Você vê melhor.

E quando fizer bom tempo
Suba no telhado para consertar as goteiras...

L'amour

Tiveum bichinho de estimação
Durante certo tempo pensei que ele fosse meu
Depois percebi que eu  era dele.
Dada a percepção tive que imolar o bichinho
Em nome da liberdade;
Temos que ter algo
Para abrir mão em  nome da liberdade...

Ai, ai meu bichinho de estimação
Nunca lhe tive estima
Os gatos são independentes
Os cães não...

O bicinho precisava de moletas
Ah, os bichinhos de estimação
Amor cão.

"L'amour, hum hum, pas pour moi,
Tous ces "toujours",
C'est pas net, ça joue des tours,
Ca s'approche sans se montrer,
Comme un traître de velours,
Ca me blesse, ou me lasse, selon les jours"

Aspas

Diria que nada do que é humano me surpreende
já disseram
Diria que o inferno são os outros
já disseram
Diria tantas coisas
Diria que quem amamos cedo ou tarde vai nos magoar
já magoei
Já fui magoado


Diria tanto, mas depois de Shakespeare não me sobrou nada
Diria
diria
Mas não há quem me ouça.
A liberdade surge quando você já não tem nada a perder.
Assim, eu não sou livre
Não direi mais nada: apenas observarei,
Tampouco quero ouvir.
Não tenho aptidão para mentiras.
 touché!

Gula

Lançar mão do que se tem
para conquistar o que não se tem.
È o "blues da piedade" querendo sempre aquilo que não tem
Fazendo-se de tudo para te-lo, até mesmo perdendo o que  já possui...
Ai, ai, irônica a vida...

Se delongue mais um pouquinho, você vai conseguir
quem sabe um bocadinho...

Recortes

 Passar do tempo.

Em que houve uma procura mútua
Uma reciprocidade
Que se tornou tantas coisas...
Aventuras e desventuras infindáveis...

Um encontro que de efêmero se tornou incerto...
Você ainda segue a sua viagem...

hã?

Do alto dos meus trinta anos ainda conservo a esperança de que um dia terei
"the time of my life"
A música de minha vida,
O livro que fará toda a diferença,
Quiça, até mesmo uma frase que me desperte...
Ainda não aconteceu.
O tempo está passando, eu estou passando (já passado) e nada...
Nada chegou a mim até agora,

Pelo menos nada extraordinário
Ou nada não passou, pois essa maldita expectativa permanece intocada...
Esperando
Esperando
E  só o tempo passando.

Sábado chato esse.